Canal Exclusive
Revista Online

Grafite dentro de casa? Pode sim!

por Redação | publicado em quinta, 27 de setembro de 2018


Arquiteta Nicole Finkel reuniu dicas para quem deseja trazer uma atmosfera moderna e urbana para o décor da sua casa

Ao caminhar pelas grandes metrópoles, basta olhar para os lados e avistar os mais diversos tipos de grafites pelos muros. A cidade de São Paulo, por exemplo, é atualmente conhecida como a capital mundial do grafite.

Historicamente, o grafite contemporâneo surgiu como forma de expressão nos Estados Unidos, durante os anos 1970. Com o passar do tempo, ganhou outros ares e novos significados e com a relevância de nomes brasileiros como Gustavo e Otávio Pandolfo, conhecido como Os Gêmeos, e Eduardo Kobra, que estampam suas artes em murais a céu aberto no mundo inteiro.

Mas será que as cores da arte urbana estão restritas apenas ao lado de fora das casas? Com a valorização desse movimento artístico, cada vez mais pessoas aderem ao estilo com a introdução do Urban Art nas paredes internas das residências. “O décor está sempre aberto ao novo. Com o grafite, trazemos uma essência exclusiva e de muita personalidade ao projeto”, afirma Nicole Finkel, do escritório Nicole Finkel Arquitetura e Interiores.

Com vários projetos onde o grafite ganhou destaque nos espaços internos, a profissional reuniu algumas dicas preciosas para ousar na arte, mas sem parecer over.

Estilo e personalidade

Antes de decidir pelo estilo do grafite e o profissional que fará a execução da arte, é importante analisar o estilo do morador e toda a família. Assim, é possível entender se obra deve expressar figuras abstratas, frases, desenhos de filmes ou mesmo séries famosas. “Quando meu cliente compartilha o seu desejo, a primeira recomendação que indico é fazer uma pesquisa na internet e salvar referências. Com isso em mãos, analisamos juntos a viabilidade com o décor”, explica Nicole.

Harmonia

Para não errar na mão e deixar o ambiente pesado e com muita informação, a arquiteta indica que apenas uma parede receba o grafite. O ambiente precisa estar em harmonia com um todo, para que os moradores não se cansem do desenho. “É bacana que os móveis tenham linhas retas e cores clean como o branco, por exemplo,”, indica Nicole.

Cores

As cores escolhidas para a arte devem compor com o ambiente e, se o espaço for pequeno, o ideal é contar uma arte executada com detalhes delicados e poucas tonalidades. “Em áreas sociais, com uma varanda gourmet, por exemplo, a arte em questão pode ser mais colorida, bem humorada e descontraída”, revela Nicole. A profissional ainda indica que a arte seja feita em algum espaço que em que os moradores consigam apreciar a arte com uma certa distância.

Leve para onde quiser

A arte precisa ser versátil e, mesmo na parede, isso não quer dizer que a pintura ficará eternizada por lá. Pensando na facilidade de trocar a obra de ambientes ou em quem more em imóveis alugados, uma boa opção é que ele seja feito em telas ou quadros. “É possível aplicá-la de forma que ninguém perceba se tratar de uma street art solta”, finaliza Nicole.

Sobre Nicole Finkel:

Arquiteta e Urbanista, formada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em 2000 com especialização na Universidade de Cornell, College of Architecture, Art & Planning em Ithaca, estado de Nova Iorque – EUA.

Nicole Finkel está há 15 anos desenvolvendo projetos residenciais e comerciais, na qual ela coloca como prioridade atender as expectativas de cada cliente.

Nicole Finkel Arquitetura e Interiores

www.nicolefinkel.com.br

@nicolefinkelarquitetura


Comentários

Mais lidas

Card image cap
Por que fazemos o que fazemos?

Ler matéria
Card image cap
Projeto Cidade do gás

Ler matéria
Card image cap
1ª corrida contra o câncer beneficia ONG que doa perucas para pacientes oncológicos

Ler matéria
Card image cap
Uma goleada do Vila da Copa

Ler matéria
Card image cap
Rede internacional de sorvetes Cold Stone Creamery inaugura loja em BH

Ler matéria