Belo Horizonte, 30/11/2020

CURA - Circuito Urbano de Arte entrega edição histórica

por Redação | publicado em terça, 27 de outubro de 2020



Foto: obra de Lidia Viber/ Caio Flavio - Area de Serviço.

A edição 2020 do CURA foi histórica. Presenteou a cidade com a maior empena pintada no Brasil, a de Robinho Santana, no Ed. Itamaraty, com 1.892 m2, além da primeira empena pintada por uma indígena no mundo, a de Daiara Tukano, no Ed. Levy, somando 1.005,9 m2. Além desses marcos, pela primeira vez, o icônico Viaduto Santa Tereza recebeu uma instalação, feita pelo também artista indígena roraimense Jaider Esbell.

Realizar o festival durante a pandemia foi um desafio extra, justamente na edição que inaugura instalações na programação do festival. “Garantir a segurança de todos foi a prioridade, toda coordenação foi feita a distancia, sem reunião presencial”, explica Juliana Flores, uma das idealizadoras do CURA ao lado de Priscila Amoni e Janaína Macruz. E valeu a pena: “recebemos milhares de mensagens, pessoas agradecendo a entrega do festival neste ano tão difícil”.

É que em tempos com tantas dificuldades, a arte se torna ainda mais necessária. Especialmente a arte diversa, inclusiva. “A diversidade de linguagens artísticas veio pra ficar. Impossível conceber um próximo CURA pensando só em graffiti e mural. Certamente, vamos seguir criando novas instalações e surpreendendo a cidade”, adianta Juliana, que já está captando recursos para a próxima edição.

Abaixo, um pouco mais sobre os artistas e suas obras que agora fazem parte do horizonte da cidade:

Diego Mouro – Edifício Almeida: Rua São Paulo, 249 - Centro

Caio Flavio - Area de Serviço

Diego Mouro é pintor autodidata, vive e trabalha em São Paulo, capital. Nasceu em São Bernardo, no ABC Paulista, uma das maiores regiões metropolitanas do Brasil com população majoritariamente negra. Lá cresceu num ambiente de afeto entre seu pai, seu avô e seus tios, base e estrutura de seu caráter.

Seu trabalho ressalta sua percepção de uma poesia ordinária dos corpos negros, desconstruindo a estrutura racista onde esses corpos são exotizados e hiperssexualizados. Para ele, é preciso normalizar o afeto entre homens negros, pela necessidade de um povo se fortalecer assim em qualquer tempo.

No mural do CURA, Diego busca trocas afetuosas que vão compondo o trabalho. A começar pela escolha da foto a ser pintada, do fotógrafo Fabio Setti, por quem tem grande admiração. Outra ação nesse sentido foi a proposta que fez em suas redes sociais para riscar o esboço no prédio: pediu que seus seguidores enviassem nomes de homens pretos por quem tivessem afeto. Diego escreveu todos esses nomes no prédio antes de desenhar propriamente, uma forma de homenagem e honra das raízes.

O mural pintado por ele, o vencedor da Convocatória CURA 2020, mede 429 m2 e está estampado na fachada cega do edifício Almeida. A obra retrata um homem cuidando dos dreadlocks de outro homem.

Daiara Tukano - Edifício Levy: Av. Amazonas, 718 - Centro

Caio Flavio - Area de Serviço

Daiara Tukano é artista visual, ativista dos direitos indígenas e comunicadora. Seu trabalho artístico tem como fundamentação a pesquisa sobre história, cultura e espiritualidade do seu povo.

Daiara é a primeira mulher indígena brasileira a pintar uma empena. Seu trabalho impacta com toda a força provinda da sabedoria e ancestralidade do povo Yepá Mahsã, etnia conhecida como Tucano, do Rio Negro, Amazonas.

No ano em que o país bateu recorde de queimadas, não por acaso na Avenida Amazonas, nasce a imagem do menino Rio, filho das matas. Daiara partilha com todos o ensinamento dos povos originários, guardiães da floresta: só há água porque há floresta.

A artista pintou o mural "Selva Mãe do Rio Menino", de 1.006 m², na fachada cega do edifício Levy. A obra também carrega mais um marco histórico: é a maior obra de arte pública contemporânea indígena do mundo.

Robinho Santana – Edifício Itamaraty: Rua dos Tupis, 38, Centro

Caio Flavio - Area de Serviço

Artista visual, pesquisador e músico experimental, Robinho Santana nasceu e cresceu em Diadema, São Paulo. Com seu olhar sensível, ele oferece, em seu trabalho, um vislumbre necessário e afetivo sobre o povo negro.

O que Robinho trouxe para a edição de 2020 do CURA é grandioso por ser tão profundamente íntimo e, ao mesmo tempo, coletivo. Ao pintar uma foto de sua família em escala gigantesca no hipercentro de Belo Horizonte, ele consegue dizer do universal: retrata ali uma típica família brasileira: uma mãe negra e seus dois filhos.

É o mural "Deus é mãe", de 1.892 m², na fachada cega do edifício Itamaraty, o maior em uma empena do Brasil, que tem a colaboração dos artistas #Tek, #Poter, @0tozmarciano8 , @osmelhor3s e @bh_lixo_osmaisfortes.

E uma cena já virou clássica em BH: aos domingos, dia de feira hippie, dezenas de famílias tiram foto em frente ao mural de Robinho.

Lídia Viber – Edifício Catarcho: Rua dos Caetés, 530, Centro

A menina do Taquaril, bairro da periferia de BH, é hoje uma das maiores artistas do Brasil e orgulho dos mineiros que amam arte urbana. Com 17 anos de carreira, Lídia Viber chegou ao CURA trazendo suas personagens misteriosas que fazem parte de um universo lúdico e surreal. Suas obras apresentam narrativas que transitam entre a dureza e a delicadeza de ser mulher.

Lídia pintou, na edição vintevinte, a obra “Retorno", de 972 m², na fachada cega do edifício Catarcho. Seu mural, que consagra a enorme representatividade da artista, propõe questionamentos acerca de todos os padrões impostos pela sociedade desde a primeira infância e quanto eles refletem na trajetória do indivíduo dentro de sua diversidade.

Sobre o CURA

O Circuito Urbano de Arte encerra sua 5ª edição entregando 18 obras de arte em fachadas e empenas, sendo 14 na região do hipercentro da capital mineira e quatro na região da Lagoinha, formando, assim, a maior coleção de arte mural em grande escala já feita por um único festival brasileiro.

O CURA também presenteou BH com o primeiro e, até então, único Mirante de Arte Urbana do mundo. Todas as pinturas realizadas no hipercentro podem ser contempladas da Rua Sapucaí.

www.facebook.com/curafestival

www.instagram.com/cura.art

https://cura.art

PATROCÍNIO MASTER

Cemig (Lei Federal) | Beck's (Lei Estadual) | Uber (Lei Federal)

Patrocínio

Instituto Unimed (Lei Municipal)

Lei Municipal “Projeto CURA – Circuito Urbano de Arte – Programação Mirante (IF nº 0359/2017), aprovado no Edital 2017/2018 oriundo da Política de Fomento à Cultura Municipal (Lei nº 11.010/2016)

Apoio

Patrus (Lei Federal)

Casa & Tinta

Suvinil

Apoio Cultural

P7 Criativo

Realização

Pública Agência de Arte


Comentários