Belo Horizonte, 09/03/2021

Geração Distribuída viabiliza sustentabilidade para as empresas

por redacao | publicado em quinta, 14 de janeiro de 2021



Foto: EMGD Parque Solar Corvina/ Vander Rodrigues.

Acelerado pela chegada da pandemia da Covid-19 e potencializado pela urgente necessidade do planeta por ações mais sustentáveis, o conceito ESG (Environmental, Social and Governance), que baliza ações ambientais, sociais e de governança empresarial, tem atraído cada vez mais a atenção de líderes institucionais ao redor do mundo, sobretudo no início de cada ano, período comum para as tomadas de decisões.

De acordo com José Francisco Dutra, diretor financeiro da Empresa Mineira de Geração Distribuída (EMGD), a tendência para 2021 é que o uso responsável dos recursos naturais e as boas práticas socioambientais e de governança, passem a ser cada vez mais valorizadas pelo mercado consumidor, de modo que as pessoas, de fato, atribuam maior valor às marcas e produtos que se identificam com estas práticas. “Corporações comprometidas com a sustentabilidade ganham duplamente, pois melhoram a percepção do público sobre sua imagem, o que impacta positivamente em sua geração de receitas, e têm acesso a condições mais vantajosas junto a agentes financeiros, tornando-as ainda mais competitivas em relação a seus concorrentes que não adotam práticas sustentáveis”, explica.

Atuando como um canal de viabilidade para o cumprimento de parte das premissas ESG, a EMGD se coloca como uma peça importante rumo à sustentabilidade empresarial, inclusive para negócios de pequeno porte. Segundo Cristiano Piroli, diretor comercial da empresa, um cliente que consome cerca de 5.000 kWh/mês consegue reduzir, por ano, a emissão de aproximadamente 1,4 toneladas de CO2, caso opte pela geração de energia por meio de aluguel de cotas de fazendas solares. “O impacto dessa mudança equivale ao plantio de 11 árvores”, destaca.

Além da expressiva contribuição ao meio ambiente, Cristiano destaca ainda a economia propiciada aos clientes, que pode variar de 10% para a classe industrial, e 18% para a comercial. “Suponhamos que o proprietário de uma clínica odontológica tenha uma fatura de energia média de R$ 5.000 por mês. A partir do momento da contratação do plano EMGD, a cota solar alugada por ele em uma de nossas usinas fotovoltaicas vai compensar seu consumo com a Cemig, cabendo ao cliente apenas o pagamento da sua mensalidade que, no caso exemplificado, custará cerca de R$ 4.100, ou seja, uma economia anual de aproximadamente R$ 11 mil”, detalha.

Segundo o diretor, a transição para esta modalidade é simples e descomplicada, com assinatura 100% digital, não envolvendo a instalação de qualquer equipamento e ainda é livre de taxas de adesão, manutenção e fidelidade. “Nossos únicos pré-requisitos são clientes pessoa jurídica que tenham instalação da Cemig com consumo médio a partir de R$ 1.500 mensais”, esclarece.

Das transformações que o mundo precisa, e que cabem ao empresariado adotá-las, mudar a forma de consumo de energia, e consequentemente gerar economia para o próprio negócio, pode ser o primeiro passo para iniciar 2021 atendendo não só as premissas ESG, mas também aos anseios do planeta. “Poder fazer parte dessa transformação vai ao encontro do propósito de nosso trabalho” finaliza José Francisco.


Comentários