Belo Horizonte, 19/08/2022

Jup do Bairro e Luísa & os Alquimistas na comemoração de três anos do Baile da Bôta

por redacao | publicado em terça, 02 de agosto de 2022



Foto: Luisa & os Alquimistas/ Mavo

O Baile da Bôta trouxe a cultura dos bailes de música brega do norte do país para Belo Horizonte. E no dia 5 de agosto, o projeto celebra três anos promovendo uma gostosa mistura musical com a paulistana Jup do Bairro e Luisa e os Alquimistas, de Natal (RN). Dois nomes quentes da nova cena musical brasileira.

O encontro não poderia ser mais assertivo. Além de unir a música mineira com a paraense, nordestina e latino-americana, o Baile da Bôta tem em vista enaltecer os movimentos efervescentes da musica eletrônica de periferia - como o tecnobrega, o piseiro, o funk, bregafunk, eletromelody e bahia bass. Um convite ao público para tremer ao som das preciosidades descentralizadas do Brasil.

Jup do Bairro faz de seu 2022 um ano para subir aos palcos. Após lançar o elogiado e premiado EP CORPO SEM JUÍZO (Independente - 2020), a artista multimídia deslancha na retomada dos eventos presenciais com um show potente e original. Acompanhada por sua banda - Mulambo (voz de apoio e participação especial), Diane (voz de apoio), Renato Medeiros (guitarra), Evehive (DJ), Venus Garland (bateria), Malka Julieta (teclado e synths) e Apeles (baixo e direção musical) -, Jup apresenta um repertório fundamentado no EP e também com algumas faixas soltas - e tão aclamadas quanto -, como “Sinfonia do Corpo” e “Sou Eu”.

Luisa e os Alquimistas fazem o último show da turnê Jaguatirica Print, a banda lança disco novo no segundo semestre. Quem os ouve, não esquece. Uma avalanche de ritmos, uma front woman potente e um jeito peculiar de fazer música pop altamente brasileira resultam num som impactante. Atualmente formada por Luísa Nascim (voz), Gabriel Souto (Programações Eletrônicas), Carlos Tupy (Guitarra), Pedras (Baixo e Synths), Pedro Regada (Teclado) e Tal Pessoa (Guitarra), a banda nasceu em 2015 no Rio Grande do Norte e já lançou três álbuns de estúdio. O último, “Jaguatirica Print”, catapultou o grupo no cenário nacional.

“Finalmente tamo voltando pra BH, depois de tanto tempo…. E ainda nessa noite super especial de comemoração, dividindo palco com uma artista que somos todes fãs, que é a JUP. Vai rolar nosso feat ao vivo pela primeira vez … estamos muito felizes e cheios de saudade de BH! Esperem uma noite inesquecível!” avisa Luisa.

Sobre o Baile da Bôta

O Baile da Bôta surge em Belo Horizonte para celebrar a música brasileira com destaque para o caldeirão sonoro do norte e nordeste do país. Um projeto de performance musical, formado por Charlotte Drag, DJ Cordoval e DJ Jambruna.

“Nossa festa-performance propõe trazer para a cidade a alegoria dos festejos tradicionais amazônicos representados pela figura folclórica do boto cor-de-rosa e a cultura dos paredões e bailes de brega do Pará” explica Bruna Brandão, também conhecida como Jambruna. “Nossa ideia é abraçar a música eletrônica genuinamente brasileira”, completa.

O Baile da Bôta acontece desde 2019 e já dividiu o palco com nomes como Duda Beat, Gaby Amarantos, Rosa Neon, Leona Vingativa, Keila e Deize Tigrona.

Acompanhe em https://www.instagram.com/botarosa.treme/

Serviço

3 anos de Baile da Bôta na Autêntica

Data: 05 de agosto (sexta-feira)

Local: Aute^ntica: Rua A´lvares Maciel, 312 - Santa Efige^nia - Belo Horizonte/MG

Horário: 22h às 6h

22:00 Baile da Bo^ta

23:30 Luisa e os Alquimistas

01:00 Baile da Bo^ta

01:30 Jup do Bairro

03:00 Baile da Bo^ta

Ingressos apenas on-line em https://autentica.byinti.com/#/event/jup-do-bairro-e-luisa-e-os-alquimis

  • Lote 1 MEIA / MEIA SOCIAL - R$30 Lote 1 INTEIRA - R$60
  • Lote 2 MEIA / MEIA SOCIAL - R$40 Lote 2 - INTEIRA R$80
  • Lote 3 MEIA / MEIA SOCIAL - R$50 Lote 3 - INTEIRA R$100

*Meia Social mediante doação de 1kg de alimento não perecível.

Classificação Etária: 18 anos

SAC Bilheteria: ajuda@byinti.com

Possui área de fumantes e acesso para pessoas com deficiência.

Jup do Bairro

Multiartista, em 2007 Jup do Bairro encontrou nas artes a possibilidade de externar suas vivências, dores e delícias. Na música, integrou por cerca de três anos a banda da também multiartista Linn da Quebrada, como sua parceira musical, performer e colaborou na criação do álbum Pajubá, lançado em 2017. Simultaneamente, criou o projeto BAD DO BAIRRO, ao lado da produtora musical e DJ BADSISTA. Foi ela quem também assinou a produção musical do EP CORPO SEM JUÍZO, divulgado por Jup em 2020.

Trabalho de estreia da carreira solo da cantora, o EP foi sucesso de público e crítica, rendendo para Jup os prêmios Multishow e APCA na categoria de Revelação do Ano no mesmo ano.

CORPO SEM JUÍZO traz também as participações especiais de Deize Tigrona, Rico Dalasam, Linn da Quebrada e Mulambo.

Na televisão, Jup estreou em 2019 no Canal Brasil (Globosat), onde conduz com Linn da Quebrada o programa de entrevistas TransMissão, com duas temporadas já realizadas e uma terceira a caminho.

Seu primeiro single Corpo Sem Juízo (2019), escrito há mais de dez anos, marca o lançamento da carreira solo de Jup do Bairro. Com produção musical de BADSISTA, a faixa traz participações especiais da escritora Conceição Evaristo e de Matheusa Passareli - estudante carioca que se identificava como não-binária -, morta em 2018, aos 21 anos.

“O que pode um corpo sem juízo?”. A pergunta levantada por Jup do Bairro em 2019 deu início a uma campanha de financiamento coletivo cuja meta total foi extrapolada e com os recursos aí obtidos, a produção do EP aconteceu entre o final daquele ano e o início de 2020, quando o projeto foi lançado. Com direção musical de BADSISTA, Jup potencializou suas letras e ideias num EP consistente e sonoramente versátil, inventando melodias e disputando narrativas a partir de um criativo encontro do rap, com o funk, o rock, a música eletrônica e o indie. A partir de canções escritas desde 2007, CORPO SEM JUÍZO conduz o ouvinte a uma experiência dividida em três fases, as mesmas de um corpo: nascimento, vida e morte, a fim de provocar reflexões e questionamentos sobre corporalidades e suas intenções subjetivamente intrínsecas.

Para contar essas histórias, Jup valeu-se de participações poderosas ao longo do EP, como os rappers Rico Dalasam e Mulambo e as cantoras Linn da Quebrada e Deize Tigrona. CORPO SEM JUÍZO arrancou elogios de público e da imprensa especializada, rendendo à artista matéria no jornal britânico The Guardian e as estatuetas de “Revelação do Ano” pelos prêmios brasileiros Multishow e APCA, ambos de 2020.

Luisa e os Alquimistas

Quem ouve Luísa e os Alquimistas não esquece. Uma avalanche de ritmos, uma front woman potente e um jeito peculiar de fazer música pop altamente brasileira resultam num som gostoso e impactante. Atualmente formada por Luísa Nascim (voz), Gabriel Souto (Programações Eletrônicas), Carlos Tupy (Guitarra), Pedras (Baixo e Synths), Pedro Regada (Teclado) e Tal Pessoa (Guitarra) , a banda nasceu em 2015 no Rio Grande do Norte e já lançou três álbuns de estúdio. O último, “Jaguatirica print”, catapultou o grupo no cenário nacional e hoje Luísa e os Alquimistas se tornou um dos mais importantes nomes da música contemporânea.

A turma tem sua presença confirmada em grandes festivais como Rock The Mountain (RJ), Forró da Lua Cheia (SP), Festival Path (SP), entre outros. Antes disso, já com o primeiro disco, “Cobra Coral”, Luísa e os Alquimistas foi atração no Recbeat (PE), Festival Gama (PB), MADA (RN) e Baile Perfumado (PE), mostrando que a música nordestina ganhara uma importante representante, cheia de ideias e autenticidade.

Em 2017, a banda continuou a pavimentar seu caminho no mercado fonográfico. “Vekanandra” foi lançado em 2017, após financiamento coletivo. Dois anos depois, novos alquimistas se juntaram ao projeto. Era o ano de “Jaguatirica Print”, gravado nos estúdios Red Bull e lançado pelo selo Natura Musical.

Os convites para shows, parcerias e programas de televisão só cresceram. Além disso, o grupo foi escolhido para o Youtube Next Up Artists, importante projeto de apostas da plataforma. Aquele som de batidão eletrônico da música urbana nordestina misturado com dub, dancehall, reggaeton, Rap, zouk e R&B começou a conquistar diversos cantos do país.

Veio a pandemia e o grupo precisou se reinventar. Durante o isolamento social, realizou lives importantes como Festival Bananada, Festival Catraca Livre e Festival Mídia Ninja. Em 2021 a banda fez sua primeira apresentação internacional na SXSW (Texas). Além disso, somou forças com importantes nomes em feats (feitos pela banda ou apenas com Luísa Nascim) com Linn da Quebrada, Potyguara Bardo, Aíla, Keila, Barro, Persie e Rafa Pinta.

Em dezembro de 2021, foi lançado um novo EP só de feats, intitulado "Gang da Leoa", com participações de Mc Tchelinho (RJ), Jup do Bairro (SP), Francisco El Hombre (SP/MEX), Potyguara Bardô (RN), Keila (PA), e Pamka Pauli.

Com a retomada dos shows em 2022, a banda já passou por palcos de importantes festivais Brasil afora como Festival DoSol (Natal/RN), Festival Rock The Mountain (Petrópolis/RJ), Festival Forró da Lua Cheia (Altinópolis/SP), Festival Turá (São Paulo/SP), Festival CoMA (Brasília/DF).

O grupo potiguar já mostrou que a versatilidade e a ousadia são suas grandes características. Inovando a cada lançamento, a banda estreia agora o novo single "Guapetona", um reggaeton com letra em espanhol, que anuncia o novo álbum que será lançado ainda neste semestre. A faixa é acompanhada de um videoclipe dirigido por Matheus Almeida.


Comentários