Belo Horizonte, 20/05/2019

Leituras da Bela

por Redação | publicado em quarta, 15 de maio de 2019



*Izabela Beirão é jornalista, empresária da comunicação, autora e booktuber – produtora de conteúdo do canal de Youtube Livros da Bela e do site de mesmo nome. Facebook: /LivrosdaBela – Instagram: @belalivros

No mês de maio é comemorado o Dia das Mães. Então, em homenagem a essas heroínas, criei o projeto Mães fortes da literatura, cujo objetivo é mostrar personagens principais mães e suas realidades. Vamos a elas!

Cem anos de solidão – Gabriel García Márquez

Úrsula – espinha dorsal não só da família, mas de toda a trama – é a personagem central dessa clássica história que foi um marco para o realismo mágico, publicado pela primeira vez em 1967. Ela, como matriarca de sua família, busca incansavelmente o melhor para esse núcleo familiar, tendo vivido mais de 100 anos, o que mostra que ela viu gerações e gerações chegarem e irem embora.

Vidas Secas – Graciliano Ramos

Essa é a história de uma família de retirantes nordestinos cuja força vem da matriarca Sinhá Vitória. A narrativa foca na permanente fuga dessa família, junto à famosa cadelinha da literatura brasileira, Baleia, acometida pela seca nordestina e, consequentemente, a falta de um lar. Com uma trama em terceira pessoa, com linguagem simples e áspera, a história mostra personagens secos e que buscam, o tempo inteiro, um pouco de dignidade.

Ao Farol – Virgínia Woolf

Neste livro, muitos críticos afirmam que a escritora Virgínia Woolf criou a personagem Sra. Ramsey como representante de sua própria mãe. É uma personagem muito forte e intensa. Publicado em 1927, esse romance é um marco do modernismo, e conta a história da família Ramsay e suas visitas a uma bela ilha na Escócia (Ilha Skye), entre os anos de 1910 e 1920. Uma das características principais dessa narrativa é o fluxo de consciência, ou seja, o leitor mergulha na cabeça dos personagens.

Precisamos conversar sobre o Kevin – Lionel Shriver

Um romance em primeira pessoa, contado através de cartas escritas por Eva – a grande mãe dessa família – para o Franklin que, aparentemente, é seu ex-marido. O casal, após a difícil decisão de ter um filho – já que Eva não queria ter filhos –, precisa lidar com o fato de o filho, Kevin, ser, aparentemente, um psicopata. E os indícios disso aparecem ainda na infância. Eva vive as angustias mais profundas, sombrias e desesperadas da maternidade. A sua vida de mulher contemporânea se transforma após se tornar mãe e esse era o grande medo dessa personagem antes da decisão. A sua forma de olhar para a própria história faz dela uma das personagens mais complexas da literatura atual.

Nota

- O livro Mundo em Caos, de Patrick Ness, será adaptado para o cinema e já está sendo gravado. Uma distopia que nos envolve do início ao fim;

- O jornalista mineiro, Nirlando Beirão, lança o livro Meus começos e meu fim, pela Cia das Letras, no dia 26 de maio. Ele conta o amor de seus avós e a sua luta pessoal para lidar com a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA);

- A jornalista e editora mineira, Cláudia Rezende, lança seu primeiro livro infantil, Poli escolhe, pela Páginas Editora, no dia 25 de maio, no Museu das Minas e do Metal.


Comentários

Mais lidas

Card image cap
Por que fazemos o que fazemos?

Ler matéria
Card image cap
Projeto Cidade do gás

Ler matéria
Card image cap
1ª corrida contra o câncer beneficia ONG que doa perucas para pacientes oncológicos

Ler matéria
Card image cap
Uma goleada do Vila da Copa

Ler matéria
Card image cap
Rede internacional de sorvetes Cold Stone Creamery inaugura loja em BH

Ler matéria