Belo Horizonte, 12/12/2019

Mutirão Ginecológico no Hospital da Baleia realiza 26 cirurgias de laqueadura em um único dia

por Redação | publicado em quinta, 28 de novembro de 2019



Iniciativa agiliza a fila do SUS, adianta o atendimento e diminui o tempo de espera das mulheres que que não desejam mais engravidar e aguardam pela cirurgia na rede pública

Mais conhecida como “ligadura de trompas”, a laqueadura tubária é um método anticoncepcional eficaz e está disponível na rede pública do país para as mulheres com mais de 25 anos ou que possui dois filhos vivos. Por esses motivos, o procedimento é a opção mais procurada por elas. A demanda do Sistema Único de Saúde (SUS) é grande, o que gera um grande tempo de espera na fila do serviço público. Para otimizar o atendimento das pacientes que já têm o encaminhamento da Secretaria Municipal de Saúde, o Serviço de Ginecologia do Hospital da Baleia realizará um mutirão para operar 26 mulheres, dia 30/11, sábado.

O tempo de espera para realizar a cirurgia de laqueadura pelo SUS depende da disponibilidade dos grupos de planejamento familiar nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), de leitos hospitalares e das agendas dos médicos. A cirurgia é relativamente simples e dura cerca de 40 minutos. Nela, as tubas uterinas, também conhecidas como trompas, são cortadas e suas extremidades amarradas, impedindo assim a descida dos óvulos e a subida dos espermatozoides. Segundo o coordenador do Serviço de Ginecologia do Hospital da Baleia, Maurício Bechara Noviello, 10 médicos estarão disponíveis durante a ação, além de uma equipe completa composta por anestesiologistas, médicos residentes, enfermeiros técnicos de enfermagem, entre outros, somando cerca de 20 pessoas. “Em um sábado, conseguimos mobilizar mais médicos do que durante a semana, quando as agendas são concorridas”, disse o cirurgião-ginecológico, Maurício Bechara Noviello.

No Baleia, números mostram que o SUS dá certo

O País vive, constantemente, um caos na assistência aos pacientes do SUS. Mas, para o coordenador do Serviço de Ginecologia do Hospital da Baleia, Maurício Bechara Noviello, é possível fazer dar certo. Segundo o médico, a produção assistencial do Serviço de Ginecologia do Baleia, entre outubro de 2018 a outubro de 2019 contabilizou mais de 1700 cirurgias ginecológicas. Foram realizados procedimentos em oncologia ginecológica, endoscopia com histeroscopia-laparoscopia, endometriose infiltrativa, propedêutica do colo uterino, uroginecologia e reconstrução do assoalho pélvico e intervenção cirúrgica para doenças benignas do trato genito urinário. Neste período, cerca de 30 residentes, dos Hospitais das Clínicas, Odete Valadares, Vila da Serra e Odilon Behrens receberam formação da equipe do Serviço de Ginecologia.

Hospital da Baleia

Há 75 anos, o Hospital é referência em atendimento pelo SUS no Estado. Anualmente, são mais de 600 mil procedimentos médicos, a maioria deles via Sistema Único de Saúde (SUS), vindos de 88% dos municípios mineiros. O Baleia possui centros de referência em Oncologia Adulta e Pediátrica, Nefrologia (com ênfase na Hemodiálise e Transplante Renal), Ortopedia, Pediatria e Cirurgia Bariátrica e Metabólica, além do Centro de Tratamento e Reabilitação de Fissuras Labiopalatais e Deformidades Craniofaciais (Centrare).


Comentários