Belo Horizonte, 07/07/2020

ONG SaveCerrado renova parceria com projeto de pesquisa da espécie Fava-d’anta na bacia do rio Pandeiros

por Redação | publicado em sexta, 19 de junho de 2020



Foto: Giovanna Louzi

A SaveCerrado acaba de renovar parceria com o Projeto Fava-d’anta: produção, manejo, qualidade e agregação de valor, na Bacia do Rio Pandeiros, que faz um amplo trabalho sobre essa espécie típica do Cerrado, cientificamente conhecida como Dimorphandra mollis Benth e que possui importantes propriedades terapêuticas.

Coordenado pelo professor Ernane Ronie Martins, titular do ICA/UFMG em Montes Claros, o projeto já faz ações de pesquisa e extensão na área de atuação da SaveCerrado, em Bonito de Minas (MG) há dois anos, com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Agora, o trabalho se estenderá por mais um ano. “Acreditamos que as pesquisas fundamentam de forma técnica, precisa e estruturada a avaliação das oportunidades relacionadas com o extrativismo sustentável. As famílias e comunidade de extrativistas da região se envolvendo, certamente temos a oportunidade de fomentar a economia local, em uma das regiões com menor IDH do estado e do Brasil.” revela o fundador e presidente da SaveCerrado, Paulo Bellonia.

Segundo especialistas, a fava d’anta é um fitomedicamento com substâncias naturais, pioneiro das exportações do setor de medicamentos com ativos naturais pelo Brasil. O seu cultivo possibilita a criação de microclimas, a sustentabilidade ecológica dos locais de cultivo e alto rendimento econômico pelas substâncias. Elas possuem potenciais terapêuticos e curativos no tratamento de doenças circulatórias, oftalmológicas, dentárias, cirurgia, dermatologia e nutrição, entre outros. São utilizadas para a produção de remédios, cosméticos e alimentos.

A atividade de extensão do projeto tem apoio do sindicato de docentes APUBH e da Pró-Reitoria de extensão da UFMG (PROEX). Foram envolvidos extrativistas da região tanto no diagnóstico do extrativismo (pesquisa etnobotânica autorizada pelo comitê de ética da UFMG) assim como na capacitação para extrativismo sustentável, o que se iniciou em 2019.

Confira os objetivos específicos do projeto:

Pesquisa

  • Realizar diagnóstico sobre extrativistas e o extrativismo da fava-d’anta na APA de Pandeiros;
  • Avaliar a produtividade de frutos em áreas da APA de Pandeiros;
  • Determinar o melhor momento para a colheita dos frutos de fava-d’anta visando a produção de flavonoides e gomas;
  • Monitorar histoquimicamente a produção de flavonoides em frutos de fava-d’anta ao longo do seu crescimento;
  • Avaliar o enriquecimento de áreas com fava-d’anta como compensação pela coleta de frutos;
  • Estimar o custo de produção de frutos secos de fava-d’anta, visando o estabelecer o preço justo pelo produto;
  • Desenvolver processo de produção de extrato rico em flavonoides em condições de propriedade rural, agregando valor ao produto do extrativismo;
  • Avaliar técnicas de secagem de frutos e sua influência sobre a qualidade e custo do processo.

Extensão

  • Produzir um manual de boas práticas para o extrativismo sustentável da fava-d’anta, de fácil compreensão pelas comunidades locais;
  • Promover capacitações para extrativistas visando boas práticas de produção sustentável da fava-d’anta.

Os trabalhos realizados são parte da Tese de doutorado de Karoline Paulino Costa e dissertação de Eliana Fernandes Souza.


Comentários