25 de maio de 2024

Search
Close this search box.

EDIÇÃO 121 – SAÚDE & BELEZA: TRANSPLANTE CAPILAR FEMININO: Quando realizar?

POR:

POR:

Redação

POR Lívia Lavagnoli

O procedimento não é exclusivo dos homens; mulheres também podem fazer o transplante capilar para melhorar as falhas no couro cabeludo, cobrir cicatrizes e melhorar o desenho da testa, para elevar a autoestima

cirurgia da restauração capilar ou transplante capilar em mulheres envolve um procedimento cirúrgico que utiliza o cabelo da própria paciente para preencher áreas com pouco ou nenhum cabelo, de acordo com cada afecção que deve ser diagnosticada previamente à cirurgia. O cabelo é transplantado de uma área saudável do couro cabeludo para a área afetada, resultando em um cabelo mais volumoso e natural.

Aproximadamente 40% do público que vem sofrendo com algum tipo de queda capilar é composto por mulheres, um crescimento de quase 10% comparado aos últimos três anos, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Com isso, o número de mulheres que passaram a sofrer com sua autoestima e confiança também aumentou, e o transplante capilar feminino se tornou uma opção terapêutica de bastante relevância.

Existem diversas causas que podem levar à perda de cabelo nas mulheres, como:

  • Hormonal/genética – A “calvície feminina” ou alopecia de padrão feminino resulta em um afinamento capilar, que, se não for tratado, pode gerar um afinamento tão grave que pode fazer com que esse fio desapareça. Essa é uma das principais razões pelas quais as mulheres (assim como os homens) optam, juntamente com seu médico especialista, pela cirurgia de transplante capilar.
  • Doenças que cursam com alopecias (queda de cabelo) – Lúpus, alopecia areata, câncer, doenças da tireóide, anemias, hanseníase, eflúvio telógeno, alopecias cicatriciais etc.
  • Tração contínua dos fios e penteados muito apertados – Acontece tanto em adultos quanto em crianças. A persistência e frequência dessa tração em rabos de cavalo e outros penteados pode gerar uma queda de cabelo definitiva, gerando falhas no couro cabeludo e aumento definitivo da testa.
  • Cirurgias e acidentes – Algumas mulheres podem sofrer perda de cabelo em decorrência de cirurgias, lesões, queimaduras ou acidentes no couro cabeludo.
  • Perda de fios na sobrancelha – Muitas mulheres sofrem com a falta de pelos na sobrancelha – muitas vezes pelo excesso de retirada ou até por alguma doença que ela nem imagina ser portadora.

técnica cirúrgica realizada é a mesma do público masculino: Follicular Unit Extraction (FUE), que popularmente é conhecida como a técnica “fio a fio”, que, sem dúvidas, é a mais moderna e não deixa cicatrizes lineares na área doadora, como na técnica antiga. Uma grande vantagem para a mulher, que usa geralmente cabelos mais longos, é que não é necessária a raspagem de toda a área doadora (região occipital, acima da nuca). Podemos raspar somente uma faixa dessa área; e, então, o cabelo acaba cobrindo perfeitamente essa região doadora, dando um efeito imperceptível.

Na técnica FUE, cada folículo capilar é retirado individualmente da área doadora por meio de um instrumento bem delicado. Em seguida, o cirurgião cria pequenos orifícios no couro cabeludo que receberá esse novo fio e insere manualmente os folículos capilares, um a um.

Como é a recuperação e em quanto tempo começam a nascer novos fios?

Após a cirurgia, realizada em ambiente hospitalar, a paciente normalmente recebe alta no mesmo dia. Sugerimos em nossa rotina um repouso essencial nos primeiros três dias para minimizar o inchaço e um afastamento laborativo opcional, mas de grande benefício. Na primeira noite após a intervenção, deve-se dormir com a cabeça para cima, de modo que a zona transplantada não esteja em contato com nenhum objeto. Algumas almofadas colocadas de maneira estratégica podem e devem ser indicadas.

Os fios caem em até três semanas após, e as raízes permanecem. A tendência é que os novos cabelos comecem a crescer entre três, quatro meses, que vão ganhando corpo e espessura cerca de oito meses depois do procedimento; e o resultado, em aproximadamente 12 meses. É muito importante seguir todas as instruções do seu médico para a recuperação adequada. Evite atividades físicas intensas e exposição ao sol, e mantenha a área transplantada limpa e livre de infecções. Siga as instruções rigorosa e cuidadosamente, para garantir que o transplante capilar tenha o melhor resultado possível.

Em resumo, é fundamental que as mulheres tenham expectativas realistas e entendam que a restauração capilar pode não ser uma solução para todos os casos de queda de cabelo. Muitas mulheres que chegam até minha clínica querendo operar acabam percebendo que eu contraindico a cirurgia, pois há muitos detalhes a serem julgados, como o estágio atual da doença, atividade clínica desta, incluindo o risco x benefício da própria paciente. O tratamento clínico e ambulatorial é sempre muito bem-vindo; e frequentemente associamos procedimentos injetáveis, lasers, terapias regenerativas ultramodernas e a própria terapia capilar, que trata o couro cabeludo e também os fios por meio de extratos botânicos naturais.

A Associação Brasileira de Restauração Capilar (ABCRC) reforça que a cirurgia deve ser realizada apenas por dermatologistas ou cirurgiões plásticos especialistas (ou seja, pesquise no site da SBD e ABCRC se o seu médico possui este título de especialista), em uma clínica devidamente preparada para esse tipo de cirurgia ou em ambiente hospitalar (que, em particular, pela segurança do paciente, é a minha escolha). Após uma avaliação cautelosa da condição do couro cabeludo e da qualidade do cabelo existente, com ajuda de ferramentas de última geração e inteligência artificial, conseguimos discutir com segurança a melhor conduta para cada caso, inclusive se a candidata à cirurgia realmente tem indicação de operar ou não.

Como médica especialista, com mais de 10 anos de experiência profissional, mas também como mulher, que já sofreu os mais variados tipos de quedas de cabelo, tenho o prazer e a firmeza em dizer, de forma simples: sim, posso te ajudar. Conte comigo!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp