27 de maio de 2024

Search
Close this search box.

Exposição inédita traz coleção de arte brasileira com mais de 300 obras produzidas durante o Regime Militar

POR:

POR:

Redação

Foto: Anna Maria Maiolino Kehm 1967

A maior coleção de arte pop e política do Brasil será exposta pela primeira vez e Belo Horizonte foi a cidade escolhida para receber o acervo de aproximadamente 300 obras que foram produzidas durante o regime militar. A mostra “Política e Vanguarda (1964/85) na coleção Lili e João Avelar” estará em cartaz no Museu Inimá de Paula, a partir de 17 de abril, com trabalhos que revelam motivações políticas e sociais dos artistas e evidenciam profundas transformações de linguagens que deram origem a práticas experimentais e conceituais no Brasil. Apresentando um conjunto diversificado de obras e meios, o curador da exposição e colecionador, João Avelar, reuniu trabalhos que convergem na tomada de posição frente aos dilemas éticos e sociais contemporâneos, permitindo que o visitante compreenda as nuances e desdobramentos de questões estéticas centrais que marcaram as artes visuais de 1964 a 1985. Desenhos, fotografias, pinturas e esculturas estão dentre as obras que poderão ser vistas pelo público até o dia 18 de agosto.

“É sobretudo nos anos 1960 e 1970 que testemunhamos uma recusa dos meios tradicionais da arte e de uma busca por referências ao mundo contemporâneo. Com obras marcadas por um caráter transgressivo e contestatório, a seleção apresentada na exposição lança luz sobre a arte como ferramenta de transformação e reflexo do mundo. Ao reunir este conjunto de experiências de vanguarda que emergiram durante o regime militar e apresentá-las de forma sistematizada, a exposição sublinha a originalidade da arte brasileira produzida nesse período e a coexistência de suas ‘múltiplas tendências’, para citar Oiticica”, enfatiza o curador, João Avelar. O mineiro Décio Noviello terá um destaque especial na mostra, onde serão apresentadas pinturas, desenhos, gravuras, fotografias e vídeo, incluindo o registro de ação realizada na histórica exposição “Do Corpo à Terra”, de 1970, em Belo Horizonte, quando o artista, então capitão do exército, utilizou granadas de uso exclusivo pelas forças armadas, para “pintar” o Parque Municipal e o Palácio das Artes.

A experiência de artistas que foram presos políticos durante o regime é contemplada na exposição. Como exemplo, um conjunto de 30 desenhos feitos por Carlos Zílio em 1970/71, quando esteve preso no Rio de Janeiro, e dois desenhos de Sérgio Sister, também de 71, feitos no Presídio Tiradentes, em São Paulo. A atmosfera de violência e sufocamento nesse período é expressa em obras de Artur Barrio, Anna Bella Geiger, Antonio Manuel, Antônio Henrique Amaral, Cildo Meireles e Gabriel Borba Filho, entre outros. As disputas simbólicas que colocavam em confronto o projeto nacionalista do regime militar e o posicionamento dos artistas revela-se no grande conjunto de obras que tem como tema a bandeira nacional e as idéias de nação. Destacam-se trabalhos de Carlos Vergara, Glauco Rodrigues, Luiz Alphonsus e Samuel Szpigel, que dialogam com a reação dos artistas contra o imperialismo estadunidense, também expresso em obras de Antônio Henrique Amaral, Cláudio Tozzi e Mario Ishikawa.

Também estão na mostra trabalhos de artistas como Antônio Dias, Rubens Gerchman, Carlos Vergara, Roberto Magalhães e Pedro Escosteguy, entre outros, que ocuparam no Rio de Janeiro posição de destaque em um grupo heterogêneo, conhecido como Nova Figuração. Em São Paulo, na mesma época, alguns artistas que até então se destacavam no movimento concreto, tais como Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Maurício Nogueira Lima e Judith Lauand e , a partir de então, migraram para experiências figurativas. Também de São Paulo merecem destaque os trabalhos de Cláudio Tozzi, Nelson Leirner, Marcelo Nitsche e Samuel Szpigel, com críticas de cunho social, através de obras irreverentes. Esses artistas trouxeram para o campo das artes visuais as referências de imagens banais do dia a dia e do kitsch, imbuídos do que o artista Hélio Oiticica chamaria de uma “linguagem pop híbrida”. Merece registro a presença da obra “O presente”, de Cybele Varela, que foi submetida a censura e retirada da Bienal de 1967, antes mesmo de sua abertura, por determinação da Polícia Federal.

A exposição ainda apresenta uma ampla gama de artistas que não se limitavam ao eixo Rio-São Paulo como, por exemplo, os mineiros Manfredo Souza Neto, Carlos Alberto Nemer e Lótus Lobo; os gaúchos Avatar Moraes, Glauco Rodrigues e Pedro Escosteguy; o pernambucano Paulo Bruscky, o sul-mato- grossense Humberto Espíndola, entre outros.

Feminino

É notável na coleção a presença de um conjunto representativo da produção feita por artistas mulheres. A aquisição em 2003 de uma obra de Wanda Pimentel, da série Envolvimentos, foi disparadora de um olhar atento dos colecionadores sobre a produção das artistas do período; hoje a coleção conta com obras de grande relevância de Letícia Parente, Anna Bella Geiger, Amélia Toledo, Claudia Andujar, Cybele Varela, Judith Lauand, Regina Vater, Regina Silveira, Ana Vitória Mussi, Lenora de Barros, Lygia Pape, Mira Schendel, entre muitas outras. Para além das questões relacionadas aos papéis sociais da mulher e da representação do corpo feminino, as obras da coleção iluminam as estratégias experimentais e conceituais, de grande sofisticação, adotada pelas artistas brasileiras nesse período.

Coleção

Considerada uma das coleções de arte brasileira mais importantes do país, com foco na segunda metade do século passado, o acervo de Lili e João Avelar conta com obras que participaram de exposições de relevância para a historiografia da arte brasileira e continuam em circulação em mostras institucionais de peso, dentro e fora do Brasil; é o caso, por exemplo, da coletiva International Pop, organizada pelo Walker Art Center (Minneapolis) e apresentada também no Dallas Museum of Art e no Philadelphia Museum of Art.

Essa exposição, de grande repercussão internacional, propôs mapear o desenvolvimento global da arte ligada às estratégias da Pop Art. Além de ter formado a base da contribuição brasileira para essa exposição, a Coleção Lili e João Avelar esteve presente também em coletivas recentes realizadas no Brasil, como AI 5 50 anos – Ainda não terminou de acabar, apresentada no Instituto Tomie Ohtake.

Serviço

“Política e Vanguarda (1964/85) na coleção Lili e João Avelar”

Quando: 17 de abril a 18 de agosto de 2024

Horário de visitação: terça, quarta, sexta e sábado das 10h às 18h30 | quinta das 12h às 20h30 | domingos e feriados das 10h às 16h30

Entrada Gratuita

Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201 – Centro – Belo Horizonte/MG)

Visitas Guiadas

Agendamento através do e-maileducativo@museuinimadepaula.org.br

@museuinimadepaula

www.museuinimadepaula.org.br

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp